9.12.10

Egoísmo.

Me peguei no começo do último mês do ano. Que andava passando rápido demais para que eu me acostumasse. Embora tenha sido lijeiro, não faria com que nos próximos anos- eu me esquecesse dele. Eu quero escrever tantas coisas, surpreendedoras.. sabe? Como quem abre uma caixa de surpresas e dentro dela há outra caixa surpresa. O que te deixa na ansiedade de continuar indo para descobrir a surpresa final... Mas saindo de todos esses exemplos... Semana passada eu ganhei um girassol - lindo, vívido, cheio de cor, delicioso... Não podendo ser mais perfeito, em volta de seu caule, haviam mais nove girassóis ainda novinhos que depois de um tempo, floresceriam. Estava tão emocionada que acordava até mais cedo para réga-lo e fazê-lo tomar o sol da manhã. No começo, ele estava tão lindo em minha janela, brilhando sempre que eu o admirava. Porém, com o passar dos dias... Ele começou a permitir que suas pétalas caíssem sabiam? E vocês não imaginariam o quão aquilo me entristeceu. Não só por ele soltar suas pétalas, mas por permitir que seus outros girassóis começassem a brochar. E isso não poderia me deixar mais infeliz. Sentia como se eles estivessem insatisfeitos, como se não suportassem o fato de continuarem vívidos depois te tanto tempo. E eu continuava (e continuo) regando-o, na esperança de que, eles renascessem, talvez? Nunca se sabe. Mas, verdadeiramente, o que eu mais queria era poder voltar no tempo e fazer com que meu girassol voltasse a ser vivo como antes, voltar no tempo em que tinha acabado de ganhá-lo. Não só o girassol da minha janela, mas o girassol da minha vida. Bem amarelo com suas nove conquistas, que andavam cada vez mais belos no passar dos dias. E que não despencassem de mim por estarem tristes com o fim do ano. Com o fim de uma eterna vida. Porque eu continuaria regando-os de tanta felicidade por tê-los ali. E poderia até plantar outros girassóis, assim que eles germinassem e eu pudesse pegar suas sementes. Compreendem? São tantas coisas que eu quero determinar aqui, tanta saudade acumulando e eu nem sequer provei uma gota delas, nenhum pouco do fel e do mel desses girassóis. Poderia montar um livro com tantas palavras que quero expressar e se possível - gritar também. E se eu realmente pudesse, pegaria todos esses girassóis e colocaria dentro de uma caixa surpresa que envolveriam muitas caixas em volta, para que ninguém tivesse a paciência de querer encontrar a surpresa final. Embalado de momentos e com um grande laço de nostalgia.

2 comentários:

  1. Porra! Muito bom, gostei mesmo. Já estou seguindo. Parabéns :)

    ResponderExcluir